9.6.06

Eternamente Jovem


Queria porque queria que as coisas não mudassem...a frescura da juventude começa a dar lugar aos tradicionais momentos que caracterizam a vida adulta. Enquanto agarro com unhas e dentes o melhor estatuto que a vida nos dá, a melhor amiga casa, o bebé nasce, a pestinha com um ano de idade vai para a creche. Não há direito! Por favor, não se apressem que eu preciso de tempo... isto de educar o ego não é fácil!
Ainda não gosto de pensar que, pelo menos, vou ser socialmente pressionada para viver isso tudo...gosto da minha cápsula de cristal, frágil mas valiosa. Sinto-me bem lá dentro e fico mesmo zangada quando percebo que não vai durar muito mais tempo...pior...vou ter que ser eu a quebrá-la. Também não quero correr o risco que ela se transforme em chumbo e me cause uma dor nas costas...

Se todos estivessem sossegados nada disto acontecia...estava bem assim!