28.4.07

Descompliquem e Cuidem-se!!!

Estudo português volta a destacar o peso dos factores psicológicos na cama

por Clara Soares

As roupas são atiradas para o chão, os namorados envolvem-se em carícias mais intensas. Tudo parece correr às mil maravilhas, mas os neurónios dos protagonistas aventuram-se por terrenos pantanosos. «E se ele olhar agora para a minha barriga? Vai ver a maldita celulite...», rumina ela, mudando rapidamente para outra posição. «Tenho que a satisfazer, não posso fraquejar agora», diz ele para si mesmo, enquanto a aperta contra si com o sorriso mais provocador que consegue fazer no estado de pressão que sente. O guião desenrola-se como esperado, mas passado algum tempo as vozes internas começam de novo a ecoar. «E se eu não for capaz de repetir?», adivinha-se na expressão dele. «A única coisa que quer é satisfazer-se», ocorre-lhe a ela, durante os minutos silenciosos em que retomam os preliminares.

Cenários deste tipo são comuns nos jogos de alcova dos portugueses. A confirmá-lo, os resultados de uma investigação realizada no ano passado pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), apresentada este mês no primeiro congresso sobre saúde sexual, em Sydney, na Austrália (e considerado o segundo melhor manuscrito). Com base numa amostra de 662 participantes (sendo 96 deles utentes das consultas de sexologia dos Hospitais da Universidade de Coimbra), o psicólogo Pedro Nobre, 37 anos, conclui que os pensamentos e as crenças sexuais influenciam as condutas íntimas e revelam-se determinantes no desenvolvimento de disfunções. «Isto acontece», explica, «quando os insucessos experimentados ao longo da vida se interpretam de modo catastrófico - "Sou um falhado", "Sou sexualmente incompetente" -, levando a pessoa a focar-se na antecipação do fracasso e não no prazer da situação.»

A análise dos resultados mostrou que os mitos tradicionais e conservadores coexistem com crenças irrealistas acerca do desempenho sexual. Exemplo disso é a ideia do macho latino, sempre pronto para a acção. O nível de exigência é tal que qualquer imprevisto que conduza a uma falha - cansaço, consumo de álcool em excesso, por exemplo se traduz numa grande fragilidade pessoal e, em última instância, em reacções de evitamento. Outro dado revelador: homens e mulheres com disfunções alimentam ideias limitativas face à sexualidade (exemplos - a mulher satisfaz-se sobretudo com a potência do pénis; após a menopausa deixa de ter desejo; se pouco atraente, não consegue ser feliz na cama). Além disso, há tendência para a autoculpabilização e fracas expectativas de êxito no futuro, e raramente florescem pensamentos eróticos.

Mick Jagger "dixit "

Aqui poderia aplicar-se a expressão cunhada pelos Rolling Stones: homens e mulheres que não se sentem bem na sua pele sexual dificilmente obtêm satisfação e prazer, e os seus encontros são acompanhados de tristeza e desilusão. «Faltam crenças mais flexíveis na sexualidade», defende Pedro Nobre, que dirige actualmente o mestrado em Psicologia Clínica na UTAD. A chave para o bem-estar reside na mudança de estilos de pensar e sentir, «um trabalho que pode ser longo e passa pela descoberta de outras formas de interpretar as situações vividas».

Esta e outras pesquisas mostram que, contrariamente ao que se pensava desde os estudos de Masters & Johnson, não é tanto a ansiedade que inibe a resposta sexual, mas antes a presença ou a ausência de emoções positivas.

Para Pedro Nobre, o peso dos factores psicológicos no sexo deve ser reequacionado: «Trabalhos recentes mostram que as soluções farmacológicas, apesar dos seus efeitos de erecção, ficam aquém das expectativas de muitos homens e não funcionam na maior parte das mulheres.» Lá está - a cabeça é que manda.

"Top" das disfunções

Em 2003, o psicólogo clínico Pedro Nobre analisou, para a sua tese de doutoramento, os comportamentos sexuais de 566 portugueses. Concluiu que 52% dos homens e 76% das mulheres apresentavam dificuldades, assim elencadas:

Mulheres

Falta de desejo; Orgasmo difícil; Problemas de excitação, Dor na penetração

Homens

Ejaculação precoce; Falta de desejo; Perturbação do orgasmo; Disfunção eréctil

O que lhes passa pela cabeça

Mulheres

- Abuso sexual, Passividade, Fracasso/Desistência, Falta de afecto, Fraca auto-imagem corporal

Homens

- Dever de erecção, Antecipação do fracasso, Medo da idade


in Visão

26/04/07

11.4.07

As Pessoas...

Há as pessoas de quem não gostamos e ponto final...as que gostamos e odiamos gostar...as que suportamos conforme os dias...as que adoramos e não nos ligam nenhuma...as indiferentes...as que nos fazem falta...as que nos irritam num segundo, mas não vivemos sem elas...as de quem somos dependentes...as especiais...as maravilhosas...as que não conseguimos definir...as que nos fazem tremer os joelhos (sempre!)...as giras...as engraçadas...as "totós"...as que nos ensinam algo todos os dias...as que nunca vão olhar para nós...as que nunca vão mudar...as irresistíveis...as que espantam...enfim...as pessoas da minha vida!