12.6.12

Histórias que surgem em dias certos...

"A vida é uma coisa complicada mas ao mesmo tempo é simples. Cada um é como é. Acho que não se pode fabricar, senão... A coisa fundamental é nós sermos honestos connosco mesmo. Não fazer batota connosco. Não é fácil. 
Fundamental é ter-se respeito a si próprio. Não acha? A gente vai pela vida fora, vai fazendo coisas quando vem a propósito. Tem cuidado para não ser chata para os outros. Dá muito trabalho. E depois chega-se ao fim e a gente vai-se embora. Depois começa-se a pensar: o que é que vai ser de mim debaixo do chão? Vou-me transformar em qualquer coisa. Não sei em quê, mas aquilo tudo junto, se calhar há ouro por causa disso, das pessoas boas que foram enterradas. Transformaram-se em ouro. Para que é que lhes servia ser boas? Para alguma coisa havia de ser. O ouro, as pedras preciosas são as pessoas boas que morreram e se transformaram. As outras desaparecem."

Maria Keil in Jornal Público
(1914-2012)  


Sem comentários: